Quais são as desvantagens de um sistema operacional em tempo real

Um sistema operacional em tempo real (RTOS) é um tipo específico de sistema operacional que executa funções e cálculos dentro de um tempo especificado. Isso dá prioridade às tarefas e pode suspender um em favor de outro de maior prioridade, garantindo que ele processe a tarefa mais importante primeiro. No entanto, juntamente com os benefícios do uso de um RTOS, ele também possui várias desvantagens, incluindo o custo do sistema operacional e sua implementação complicada.

Tipos

Os dois principais tipos de RTOS são em tempo real suave (SRT) e em tempo real rígido (HRT). Um HRT tem a capacidade de garantir que sempre processará operações dentro de um período de tempo garantido, enquanto um SRT só pode garantir os mesmos resultados na maioria das vezes. Isso ajuda os SRTs a otimizar os elementos não essenciais da solicitação, o que uma HRT não faz. Os sistemas SRT não são confiáveis ​​em situações em que prazos críticos devem ser cumpridos, como em equipamentos médicos ou sistemas de controle de motores, onde latências ainda mais baixas podem ter resultados catastróficos. Por outro lado, o uso de uma TRH em sistemas não críticos, como transmissões de streaming,

Exigências

Um RTOS precisa ter uma capacidade multitarefa maior do que um não-RTOS, para poder priorizar vários encadeamentos de processos. O tamanho de um RTOS significa que ele pode oferecer um desempenho melhor que um não-RTOS, pois usa menos multitarefa em geral, mas isso não é uma regra. As outras partes do sistema do computador, incluindo a CPU e a memória, determinam a eficácia de um RTOS. Devido à programação complexa em um RTOS, ele requer mais código para ser executado com eficiência do que um não-RTOS, portanto, requer mais espaço em um sistema de computador.

Velocidade

Um RTOS usa algoritmos avançados para agendar tarefas. Isso permite a flexibilidade necessária para priorizar aplicativos, mas também significa que requer mais recursos e tempo. Durante um determinado período de tempo, um RTOS tende a concluir menos trabalho que um não-RTOS. Um RTOS geralmente precisa acessar componentes como drivers de dispositivo, o que influencia a quantidade de tempo necessária para concluir determinadas tarefas. Além disso, um RTOS requer mais sinais de interrupção do que um não-RTOS. Uma interrupção mede o tempo entre o momento em que um sistema operacional cria a interrupção e quando a processa. Um RTOS precisa garantir o tempo máximo que pode levar para processar a interrupção.

Referências

 

Você pode estar interessado:

Deixe um comentário