Como faço para remover uma mensagem de erro 403 Proibida do meu site?

Os sites são criados em servidores da Web, e esses servidores são projetados para fornecer conteúdo visível ao público. No entanto, alguns desenvolvedores da Web armazenam conteúdo que desejam manter privado em um servidor da Web. Por esse motivo, a maioria dos servidores da Web possui determinadas proteções para garantir a manutenção de algum nível de segurança. O erro “403 Proibido” aparecerá quando alguém tentar acessar a raiz de qualquer diretório da Web quando esse diretório não contiver um arquivo público de “índice” padrão. A raiz de um diretório é a URL de um site que termina com um nome de diretório em vez de um de um arquivo. Por exemplo, “http://www.mydomain.com/hola” é um diretório de URL raiz, enquanto “http://www.mydomain.com/hola/hola.html” é um arquivo específico, “hello.html”. Existe uma maneira simples de tornar um diretório visível publicamente para que esse erro não apareça.

Adicionar um arquivo de índice

Passo 1

Abra qualquer editor de texto, como o Windows Notepad. Crie um novo documento em branco se ele ainda não aparecer.

Etapa 2

Escreva a seguinte linha no documento: “Opções + índices”. Lembre-se de que você não deve escrever as aspas no código.

Etapa 3

Salve o arquivo como “.htaccess”. Observe que não há nome para o documento antes do ponto.

Etapa 4

Abra qualquer programa FTP. Existem programas de FTP gratuitos no FileZilla, se você ainda não o possui.

Etapa 5

Conecte-se ao seu site usando o endereço fornecido pela empresa de hospedagem do seu site.

Etapa 6

Vá para o diretório em que o erro “403” aparece. Navegar no FTP é semelhante a percorrer uma pasta do Windows. Basta clicar duas vezes em um diretório para abri-lo.

Etapa 7

Arraste o arquivo “.htaccess” que você criou para sua janela FTP e para o diretório que deseja ver publicamente.

Etapa 8

Visite o URL desse diretório em qualquer navegador conectado à Internet. A mensagem de erro “403” não deve aparecer.

Referências

 

Você pode estar interessado:

Deixe um comentário